Avançar para o conteúdo principal

Alimentação no inverno

No inverno, o nosso corpo precisa de maior quantidade de calorias para manter a temperatura ideal e  aumentar a resistência orgânica. Percebe-se esta maior necessidade na vontade de comer alimentos mais quentes e no próprio aumento da ingestão alimentar, especialmente os mais gordurosos e calóricos.
Em função das baixas temperaturas, o organismo efectua um maior gasto de energia para a manutenção da temperatura corporal. Para compensar esse gasto energético aumenta-se a ingestão de calorias, em torno de 20 a 30% a mais do que nos dias quentes.
No entanto, devemos estar atentos aos perigos da alimentação nessa época. Algumas pessoas podem apresentar mais fome e comer mais do que precisam. Há indivíduo que chegam a ultrapassar cerca de 20 a 30 % de acréscimo calórico, exagerando na alimentação e abusando de refeições muito gordurosas, mais comuns neste período do ano. O resultado é um aumento de peso e, em casos mais sérios, problemas de saúde como taxa de colesterol elevado, disfunções no fígado e vesícula.
Uma boa sugestão para evitar esses problemas é adaptar-se as preparaçãos dos alimentos consumidos  na estação fria e torná-los menos gordurosos e calóricos.Como por exemplo:
· As sopas devem ser preparadas com legumes batidos ou não, sem adição de creme de leite. Se utilizar massas observar para não exagerar na quantidade. Pode-se acrescentar fibras como o farelo ou fibra de trigo, farelo de aveia e sementes de linhaça. Sabe-se que as fibras ajudam a regular a função intestinal, melhora os níveis de colesterol e produz sensação de saciedade.
· O chocolate quente pode ser substituído por um chá com adoçante, que esquenta o organismo e tem baixas calorias, ou então pode-se prepará-lo com leite desnatado e achocolatado.
· Os queijos amarelos devem ser substituidos pelos brancos.
· Quando não se conseguir resistir à feijoada, deve-se consumi-la com moderação: arroz, feijão, couve sem bacon, e carnes mais magras, já que, normalmente as carnes usadas em feijoada tem um alto teor de gordura e são muito calóricas.
· A carne de porco deve ser  quando possível evitada e substituída por outras como:  carnes de frango, galinha, coelho, pato, peixes.
Ressalta-se que  todo controlo alimentar deve ser feito com cautela e bom senso. Se o indivíduo quer emagrecer, não deve nunca partir para uma restrição alimentar muito rígida, sem orientação de um profissional de nutrição, pois as “dietas da moda” podem causar graves prejuízos à saúde, como anemia, úlcera, gastrite, problemas de digestão, além de viver-se em um ciclo perigoso do engorda-emagrece.
É importante saber que, um mínimo de gordura é necessário ao nosso corpo. Ela é responsável pelo transporte e absorção das vitaminas lipossolúveis: A, K, E e D, além de atuar como protetora contra choques e ser um isolante térmico, ajudando o nosso corpo  a suportar as baixas temperaturas próprias do inverno.

Comentários