Avançar para o conteúdo principal

Pessoas anorécticas têm grandes taxas de gordura nos ossos

Gordura acumulada nos ossos pode ser uma forma de armazenar energia
Por mais que pareça um paradoxo, pessoas com anorexia nervosa têm altos níveis de gordura na medula óssea. Esta conclusão, constatada por investigadores do Children's Hospital, em Boston, resultou da análise de ressonâncias magnéticas dos joelhos de 40 raparigas com a idade média de 16 anos, sendo que metade do grupo tinha anorexia nervosa e as outras 20 eram saudáveis.
“É um contra-senso que uma mulher jovem e magra com quase nenhuma gordura subcutânea seja capaz de armazenar gordura na sua medula óssea”, referiu Catherine Gordon, investigadora principal deste estudo publicado no “Journal of Bone and Mineral Research”.
As imagens das ressonâncias magnéticas foram analisadas por radiologistas que desconheciam o quadro clínico das jovens que colaboraram neste estudo. E o verificado foi que, comparativamente com o grupo de controlo composto pelas raparigas saudáveis, as jovens que sofriam de anorexia apresentavam um maior conteúdo de gordura nos ossos, visualizada como medula amarela, e menos de metade do conteúdo da medula vermelha.
De acordo com os autores, a medula óssea vermelha é funcional e altamente produtora de células, estando presente no corpo humano principalmente até os 25 anos de idade. A partir dessa faixa etária, esse tipo de medula é, aos poucos, substituído pela medula amarela que possui baixa funcionalidade e é formada por gorduras.
Estes resultados vão ao encontro do que havia sido verificado em observações anteriores com ratos que apresentavam uma patologia semelhante à anorexia nervosa. Estes trabalhos anteriores mostraram que as alterações hormonais, que são comuns aos estados de desnutrição, promovem o crescimento de células de gordura nos ossos em vez de osteoblasteos, células responsáveis por sintetizar a parte orgânica da matriz óssea.
                                        
  Joelhos de um paciente saudável e de outro anorético
 A junção destes estudos, feitos em ratos e em humanos, pode explicar assim a razão pela qual as pessoas com anorexia nervosa perdem massa óssea, às vezes até ao ponto de desenvolverem osteoporose e fracturas.
Catherine Gordon pretende agora desenvolver outros estudos a fim de averiguar os motivos que levam o organismo de pessoas anorécticas a produzir células de gordura nos ossos, mas uma das suas suposições é que esta seja uma tentativa de o organismo armazenar energia e calor. Isto porque os anorécticos entram facilmente em hipotermia devido à falta de gordura no corpo, sendo frequentemente hospitalizados com temperaturas extremamente baixas.