Avançar para o conteúdo principal

Obstipação


O que é a obstipação?

A obstipação é uma patologia que se manifesta pela diminuição da frequência da defecação caracterizada pela passagem de fezes secas e duras.
Com base na duração da sintomatologia, a obstipação classifica-se como crónica (quando o ritmo evacuatório se mantém constante há pelo menos 2 anos) ou aguda (quando ocorre pontualmente).
O padrão do trânsito gastrointestinal é variável. Não são usuais menos de 2 dejecções por semana ou mais de 3 por dia.
Sintomas associados
• Enjoo e náuseas
• Desconforto e distensão abdominal
• Eventual aparecimento de sangue não misturado com as fezes

Principais causas.

1. Alterações da motilidade:
• Maus hábitos alimentares (ingestão reduzida de legumes, frutas, fluidos e fibras e/ou ingestão excessiva de alimentos que endurecem as fezes como o queijo e o chocolate, por exemplo).
• Inactividade física
• Abuso de laxantes
• Mudança de ambiente, viagens, etc.
• Gravidez
• Administração prolongada de medicamentos obstipantes: analgésicos opiáceos; antitússicos; antiácidos com alumínio ou cálcio; antihipertensores, entre muitos outros.

2. Obstrução mecânica
• Tumor, hemorróidas, diverticulos

3. Disfunção neurológica e/ou psiquiátricas
• Lesões medulares, esclerose múltipla

4. Perturbações psicossociais
• Depressão, ansiedade e stress
Situações em que deve consultar o médico
• Obstipação causada por medicamentos
• Quando a obstipação não cede com o uso de laxantes
• Quando há presença de hemorragias, cólicas abdominais e vómitos
• Quando há presença de sangue misturado nas fezes
• Quando a obstipação permanece por mais de 2 semanas

Tratamento
O tratamento deve iniciar-se com medidas nutricionais, como por exemplo, aumentar a ingestão de fibras (farelo, frutas, vegetais verdes, cereais, etc) e de líquidos e  pratica de exercício físico. Um das medidas mais importantes a adoptar é a criação de um hábito de defecação, ou seja, adoptar horários diários para a evacuação.
Se estas medidas não forem suficientes deverá recorrer-se ao apoio de um nutrcionista que irá elaborar um plano alimentar individualizado com a introdução correctas dos diversos alimentos laxativos e suas devidas quantidades. Só em casos de extrema necessidade deverá recorre-se ao uso de  laxantes.

Abuso de laxantes
A obstipação é uma queixa comum, principalmente nos idosos, ocorrendo com maior incidência no sexo feminino. Grande parte dos casos devem-se ao uso abusivo de laxantes.O uso abusivo ou inadequado de laxantes induz a obstipação por tornar o intestino “preguiçoso”, ou seja, fica dependente da presença de laxantes para funcionar. Esta situação torna-se num ciclo vicioso. Por isso a utilização de laxantes deve ser sempre uma medida temporária.

Adaptação da Fonte

Comentários

  1. Olá Sil,

    Sou dependente de laxantes atualmente faço uso de 10 bisacodil diários, gostaria de saber se vc já viu algum caso parecido e se há cura, ou seja, se meu intestino poderá voltar a funcionar....pois já tentei uma alimentação a base de muita fibra e ingestão bastante água mas mesmo assim fiquei 1 semana sem evacuar.
    Grata

    ResponderEliminar
  2. Olá, Anónimo
    Como não me destes o teu contacto respondo-te por aqui.
    Já procuraste um diagnóstico real do teu problema? Tipo consultas e exames específicos para saber a origem da tua obstipação crônica?
    A obstipação como o texto do post refere, tem diversas causas, e não só a alimentar. E, a tua pode ser originada por outros problemas (alteração da motilidade, intestino longo (o que comumente se chama preguiçoso), etc.
    Então, recomendo um diagnóstico mais aprofundado e continuação de uma dieta laxante. Ao usar uma dieta rica em fibras o laxante químico deve ser, gradualmente, diminuindo, e com a melhora do ritmo intestinal, fazer a suspensão. Mas, tudo isto tem que ser visto com o teu médico ou nutricionista em uma consulta pessoal.
    Espero ter colaborado.
    Deus te dê a tua saúde

    ResponderEliminar

Enviar um comentário