Avançar para o conteúdo principal

As diversas faces do tomate

A história do tomate
Oriundo da América Central e do Sul, desde o Peru até ao México, o tomate era inicialmente cultivado e consumido pelas civilizações Asteca e Inca. Só mais tarde, no século XVI, é que foi introduzido na Europa pelas mãos de alguns exploradores. Ainda assim, os europeus acreditavam que o tomate era venenoso como as mandrágoras, sendo apenas utilizado par efeitos ornamentais.
No século XIX, o tomate passou a ser consumido e cultivado numa escala maior, tornando-se popular em muitas receitas, mas o grande impulso foi dado pelos italianos, pelo famoso molho de tomate, que se tornou no principal ingrediente, utilizado nas pizzas e em outras massas. É também um dos principais ingredientes da deita mediterrânica.
O tomate é um alimento que deve ser consumido diariamente, quer seja em salada, sopa ou como ingrediente do prato principal. Rico em diversas vitaminas, como a C, ácido fólico e minerais como potássio, cálcio e fósforo, o tomate é, de todos os vegetais, o que tem maior quantidade de licopeno, um pigmento da família dos carotenóides que lhe dá a cor vermelha característica.
Um dos maiores benefícios do licopeno, que representa cerca de 70% dos carotenóides em tomates maduros, é a sua acção antioxidante, que combate os radicais livres, evitando a degeneração e a morte das células. Uma boa notícia para os homens é que a ação dos antioxidantes do tomate (em polpa ou cru) actua na prevenção do cancro/câncer da próstata.
Esta acção também ajuda a retardar os efeitos do envelhecimento, pois protege a pele dos efeitos nocivos dos raios utravioleta. Quanto mais vermelho for o tomate maior a quantidade de licopeno e de concentração deste antioxidante.
A sua riqueza em potássio, magnésio, fósforo e ferro auxiliam no controlo da tensão arterial, das contracções musculares, da saúde das artérias e da manutenção dos líquidos celulares.
Pelos sais minerais que contém, o tomate é remineralizante e diurético. É refrescante, auxiliador da hidratação e da regulação da temperatura corporal.
É igualmente rico nos principais oligoelementos: zinco, cobalto, boro, flúor, bromo e iodo.
Para quem se preocupa com o peso, não a nada a temer, pois este legume tem um baixo valor calórico, possuindo cerca de 15 calorias por 100 gramas, já que a sua composição corresponde a aproxiamdamente 95% de água e cerca de 4% de hidrato de carbono. O facto de ter maior quantidade de açúcares simples que as restantes verduras confere-lhe um paladar mais adocicado, tornando-o, por isso, um legume bastante procurado.
Conservação
Os tomates maduros são frágeis. a temperatura ideal para conservar situa-se entre os 6ºC e os 11ºC. Abaixo deste valor, o frio pára o amadurecimetno e diminui o sabor.
As polpas de tomate, uma vez abertas, devem conserva-se no frigórifico/geladeira. Uma das formas de prolongar a vida útil da polpa é evitar que esta se mantenha em contacto com o ar, isolando-a com um fio de azeite à superfície.
O tomate é fruto ou legume?
Saiba que embora na botânica o tomate seja considerado um fruto, contudo, do ponto de vista comercial e também nutricional o tomate é considerado um legume. Pois é, mas independente do facto de ser fruto ou legume, o impotante é que se lembre que ele é essencial para a sua saúde e não se esqueça de inclui-lo na sua alimentação diária.
O tomate na sua alimentação
Sendo um alimento pouco calórico, com excelentes propriedades nutricionais o tomate pode ser largamente utilizado na culinária pela sua cor, melhorando a aparência dos pratos.
Qaunto maior é a concentração de toamte numa receita maior é o teor de licopeno e os benefícos por ele proporcioandos. O licopeno possui maior aproveitamneto quando combinado com pequena qauntidade de gordura, preferencialmente do tipo monoinsaturada, como o azeite. Esta relação de tomate com azeite resulta numa feliz combinação para o "coração" (leia-se doenças cardiovasculares).
Agumas sugestões:
sopas de toamte regadas com um fio de azeita;
arroz de tomate;
de vez emquando, uma saborosa compota de tomate;
e tudo o mais que a  imaginação nos permita  fazer com este multifacetado legume.

Fonte: Revista Medicina e Saúde