Avançar para o conteúdo principal

ALERGIAS E INTOLERÂNCIAS ALIMENTARES


CONHEÇA OS ALIMENTOS A QUE É ALÉRGICO PARA TER MAIS SAÚDE, BEM-ESTAR E HARMONIA NO SEU CORPO

Todos já ouvimos falar da importância de uma alimentação saudável... Mas o que nem todos sabem é de que forma certos alimentos podem desencadear intolerâncias ou alergias alimentares que minam o nosso sistema imunitário, causam distúrbios de vária ordem e nos impedem, por exemplo, de emagrecer...
A alimentação é, sem dúvida, um dos principais factores que contribuem para a manutenção da saúde e para a prevenção das doenças.
Vários estudos realizados em todo o Mundo constatam que uma nutrição inadequada é responsável por, aproximadamente, 50% dos casos de cancro de útero, mama e aparelho gastrointestinal nas mulheres e por aproximadamente 30% dos casos de cancro na próstata e aparelho gastrointestinal nos homens.
A nutrição inadequada não é apenas a baixa ingestão de nutrientes essenciais, a alta ingestão de gorduras ou açúcares ou a baixa administração de fibras. A nutrição inadequada é também aquela na qual ingerimos alimentos que aparentemente não nos causam mal algum, mas que podem apresentar, para quem os ingere, reacções tipo hipersensibilidade ou intolerância, mesmo que os sintomas passem despercebidos. A ingestão destes elementos vai minando paulatinamente o nosso sistema imunitário. E, aqui, importa ressaltar que 80% do nosso sistema imunológico (defesa) se encontra localizado no tracto digestivo!

AS REACÇÕES ALÉRGICAS

No que toca especificamente ao desenvolvimento de reacções alérgicas, é necessário que as proteínas alergenas entrem em contacto directo com a mucosa do intestino. O intestino possui uma "parede" natural de protecção. Não é saudável para o nosso organismo que as proteínas se comuniquem directamente com as mucosas (isto ocorre quando há uma agressão ao sistema imunológico). Quando isto acontece, o nosso organismo produz anticorpos, substâncias químicas que, quando adicionadas aos alimentos - inofensivas frutas, legumes, verduras, etc. - podem provocar determinadas reacções alérgicas. Em, suma qualquer alimento pode ser um alergeno, o que depende das reacções de cada indivíduo.
Muita gente confunde intolerância ou hipersensibilidade alimentar com alergia. Os sintomas podem ser até semelhantes, mas as causas são distintas. O importante é avaliarmos não só os alimentos que causam alergia, mas, sempre, identificar aqueles que agridem o nosso sistema de defesa e que de certa forma "abrem as portas" do mesmo.
Com a proliferação, cada vez maior, de alimentos que não se sabe bem o que contêm, com os animais engordados à força por meio de inimagináveis drogas, com os corantes, conservantes e tantos outros factos “desconhecidos”, comer pode ser, por vezes, um grande perigo...

REACÇÕES ALÉRGICAS EXPLICAM OBESIDADE

De acordo com um estudo que relacionou a obesidade com reacções alérgicas alimentares, a alergia a determinados alimentos pode ser um factor que impede a perda de peso.
Esta investigação teve por base a análise de 80 indivíduos, sem disfunção endócrina, subdivididos em dois grupos de estudo. No primeiro grupo, os investigadores utilizaram uma dieta tendo como base as informações recolhidas sobre o “Perfil Alérgico Alimentar” enquanto ao segundo grupo foi administrada uma dieta comum de idênticas calorias.
Após seis semanas verificou-se que 81 % dos pacientes do primeiro grupo (cuja dieta eliminava os alimentos causadores de alergias) tinha perdido peso, em contraste com apenas 19 % dos pacientes do segundo grupo que seguiu dietas de padrão normal.
Verificaram ainda os investigadores que nas mulheres do primeiro grupo de estudo, com celulite, diminuiu substancialmente o aspecto “casca de laranja” da sua pele. Elas ficaram mais dinâmicas e com menor compulsão para comer, constatando-se, a posteriori, que 91 % dessas pacientes não voltaram a engordar.

INTOLERÂNCIA ALIMENTAR

A intolerância alimentar não é uma reacção imunológica. É, sim, a falta de uma ou mais enzimas alimentares. Exemplificando: a lactase (enzima do leite) ajuda a digerir um dos açúcares do mesmo e a sua carência pode provocar, entre outros sintomas, cólicas e ou diarreias. Muitas pessoas intolerantes à lactose podem consumir determinados derivados do leite, nomeadamente queijos secos, iogurtes, etc., nos quais grande parte da lactose já foi eliminada.
Outra intolerância habitual é ao glutamato de sódio (que os Chineses adicionam em quase todos os pratos da sua culinária), com sintomas tais como vertigens, suores, sensação de desmaio entre outros... É o que os Norte Americanos chamam de Síndroma do Restaurante Chinês.

* Intolerância ou Hipersensibilidade ao Fosfato

O fosfato é um elemento encontrado em inúmeros alimentos, e também usado para a preparação de outros. A reacção de hipersensibilidade ocorre principalmente nas crianças e nos adolescentes. Os principais sintomas encontrados são hiperactividade, distúrbios do sono, agressividade, desordens digestivas, alta tendência para a alergia em geral, dificuldade de aprendizagem escolar, dificuldade de adaptação social.
O Fosfato está presente, ou pode ser adicionado a:
Produtos de Padaria: fermento de fosfato, lecitina, todo e qualquer tipo de bolacha ou biscoito pré-cozido (congelado).
Carnes: Carnes que tenham fosfato como elemento de conservação (escrito no rótulo), miúdos de frango/porco, peixe defumado, conserva de peixe e douradinhos.
Produtos Lácteos: Triângulos de queijo, queijos para Fundue e Raclette, leite de vaca e seus derivados, arroz doce e margarina.
Ovos: clara e gema de ovo de galinha.
Vegetais e Frutas: Frutas cítricas, cogumelos, legumes, milho, soja e seus derivados.
Bebidas: Cola e afins, café, bebidas alcoólicas (incluindo cerveja e Cidra).
Além destes, o fosfato pode também ser encontrado noutros alimentos tais como aveia e derivados, muesli, pipoca, marzipã, nougat e cacau.
E, em caso deste tipo de hipersensibilidade, é preciso ainda ficar atento, pois determinados medicamentos possuem na sua composição fosfato ou lecitina.
Fonte: Mulher portuguesa
Imagem