Avançar para o conteúdo principal

"Alguns aspectos da questão sanitária das cidades de Portugal e suas colônias"

Para uma melhor compreensão do que são os meios de cuidados sanitários e de saúde nas nossas sociedades atuais, voltemos ao passado, ao principio das nossas civilizações, ao começo dos primeiros entendimentos da tríade:  Ambiente, Saúde e Doença,  onde o Homem é o centro, o sujeito das causas e efeitos do meio que o rodeia. 

"O reino da podridão foi instaurado nos espaços urbanos medievais pelos detritos das atividades econômicas e pelos excrementos produzidos pelos moradores. Simultaneamente, instalou-se o reino da peste, o que os levaria a estabelecer uma interconexão de causa e efeito entre ambas as coisas. A secular convivência com monturos e esterqueiras resultaria numa arte sanitária de cunho olfativo, baseada na correlação entre maus cheiros e doenças. Essas noções estiveram na base dos cuidados sanitários adotados nas cidades de Portugal, e, mais tarde, nas de suas colônias. O iluminismo pretendeu substituir esta arte olfativa por uma ciência da salubridade urbana. Todavia, no universo português, esta nova ciência permaneceu presa aos limites dos saberes olfativos medievais, sem produzir uma nova efetividade. Gerou, entretanto, entre os funcionários coloniais, uma verdadeira obsessão pelo nauseabundo. Ao findar o século XVIII, os médicos e naturalistas formados pela recém reformada Universidade de Coimbra tornaram-se exímios cheiradores que se dedicariam com paixão ao judicioso exame do nauseabundo e à sua descrição. Não houve cloaca, pântano, poço, monturo ou maloca que não fosse cheirado na insaciável busca das partículas mefíticas que supunham contaminar a tudo e a todos." 

Comentários