Avançar para o conteúdo principal

Alimentação Infantil - Bases Fisiológicas

Este livro é uma revisão cuidada por inciativa da rede IBFAN, Instituto de Saude,  OMS e WABA relata sobre as bases fisiológicas da amamentação e outros fatores que envolvem o período do pré-natal, lactação e desenvolvimento do bebê. 
Uma material importância para os profissionais e estudantes de nutrição/saúde.
Segue pequeno trecho do prefácio e introdução.
"Conhecer hoje o alimento leite humano, nas suas várias especificidades (colostro, leite “posterior”, leite do bebê prematuro, etc) é difícil. Os estudos mais aprofundados sobre seus componentes bioquímicos e as conseqüências para o ser humano de sua presença ou ausência são recentes. Por outro lado, conhecer o processo de amamentar, prática biológica histórica e socialmente determinada, também é bastante complicado. Esta revisão procura avançar e aprofundar as bases fisiológicas da alimentação infantil, dando um passo importante tanto no conhecimento do leite humano como do processo de amamentar." 
Introdução
"A amamentação dos recém-nascidos humanos tem sido uma característica comum a todas as culturas em todos os tempos, pois nossa própria sobrevivência tem dependido dela. Por outro lado, outros modos de alimentação infantil - o que, quando, como e por quem é oferecido - têm diferido de acordo com a época e o lugar. Assim, vários costumes alimentares evoluíram historicamente por tentativa e erro, adequados ao ambiente específico e freqüentemente constituindo a melhor opção nutricionalmente esperada. A amamentação constitui-se, portanto, em “imperativo natural” universal que assegurou a sobrevivência e saúde do bebê. No fim do século XIX, todavia, os avanços da ciência, especialmente da bioquímica, conduziram a percepções novas sobre as necessidades nutricionais das populações das regiões que se industrializavam e se reurbanizavam rapidamente na Europa e Estados Unidos. Os desafios incluíam então como alimentar bebês e crianças pequena s com segurança e concomitantemente evitar complicações decorrentes da mudança no estilo de vida, valores culturais e papéis sociais das mães e mulheres responsáveis pelos cuidados às crianças. No início do século XX e por muitos anos, a ênfase na alimentação infantil refletia abordagem principalmente quantitativa, considerada mais precisa e, portanto, mais “científica”. Por exemplo, a análise dos leites humano e de vaca, embora exibindo diferenças, pareciam sugerir que este poderia ser modificado com segurança para satisfazer as necessidades nutricionais dos bebês. Os primeiros substitutos do leite materno e os primeiros alimentos suplementares ou de desmame comercialmente produzidos usavam como modelo o conhecimento disponível, bastante limitado, sobre o valor nutricional do leite de peito e a fisiologia e necessidades nutricionais do recém-nascido e do bebê pequeno. O critério básico para avaliar adequação nutricional era o crescimento e, não raro, noções como, mais alimento e alimentação mais
precoce, tornaram-se sinônimos de nutrição melhor..."
Download do livro 

Comentários