Avançar para o conteúdo principal

"De nutrição todo mundo pensa entender de montão"

Existe um ditado que diz, "de médico e louco todos temos um pouco" e eu digo, "de nutrição todo mundo pensa entender de montão". Pois é, pensam!!
Enquanto nutricionista ouço e vejo pessoas, até bem formadas, a dizerem e fazerem coisas em relação a alimentação que podem fazer os maiores especialistas na área já falecidos a se moverem no caixão.
Como tenho aprendido que "onde a ignorância fala a sabedoria não dar palpites" apesar de fazer algumas tentativas de esclarecer a má interpretação sobre um determinado assunto ligado a nutrição, tipo, quando ouço, que esse ou aquele alimento não tem calorias, não engorda, não faz mal e blá, blá, blá, porém, quando vejo que é inútil prosseguir, então, calo-me.
Costumo pensar, vez sem conta, que ser nutricionista é uma bênção e uma maldição ao mesmo tempo. Por que lidar com o nosso objeto de trabalho, o alimento em suas várias facetas na alimentação humana, é deveras complicado.
O alimento é meio de convívios, descarga de alegrias e tristezas humanas.
Através da alimentação se aproximam ou se afastam pessoas, se obtém ou se perde a saúde, pois os alimentos são, sem sombras de dúvidas, veículos de doenças e curas para o corpo.
Há quem tenha alimentos com fartura e há quem os tenham em escassez, de um lado, é a abundância, o desperdício, do outro é a falta, quase que, total do que comer no dia-a-dia.
Quase todas, para não dizer todas, as doenças envolvem a alimentação. Algumas requer mudanças drásticas na dieta, outras apenas algumas alterações de hábitos alimentares.
Embora, a muitos séculos o sábio Hipócrates tenha dito a frase, "que o teu remédio seja o teu alimento e que o teu alimento seja o teu remédio"  tão bem conhecida no campo da nutrição, sabemos que todos desejam uma cura rápida para os males do corpo, e na nossa impaciência esquecemos que o remédio químico, por si só não cura, pois antes de mais nada o corpo necessita da energia vital fornecida pelos alimentos para que a saúde seja restabelecida.
Resenha por Silvelita Metelo