Avançar para o conteúdo principal

Menopausa seja bem vinda!

A menopausa é um processo natural do corpo da mulher. Todas sem exceção passaram, passam ou passarão por ela. 

Sendo um processo biológico natural, que ocorre na vida da mulher com a alteração dos ciclos menstruais,  a menopausa acontece entre os 40 aos 58 anos (idade média em que as mulheres para de menstruar) com o fim das menstruações espontâneas em virtude da grande redução da atividade dos ovários, que deixam de libertar óvulos mensalmente.

Neste período a quantidade de estrogénios diminui e o organismo da mulher fica exposto a um novo ambiente hormonal, designado de hipoestrogenismo.
Se este se instala de uma forma súbita, as mulheres apresentam sintomas que serão muito mais exuberantes, do que se a instalação for lenta e progressiva.

A primeira expressão da redução significativa da função dos ovários é o aparecimento das irregularidades menstruais, que podem durar anos.

Nesta fase da vida da mulher, define-se vários períodos:

Climatério - fase da vida da mulher da qual passa do estado reprodutivo para o não reprodutivo. É um processo contínuo e não uma fase pontual da sua vida, pois engloba a pré-menopausa e a pós-menopausa. Pode acompanhar-se de sintomas, mas não é imperativo que o climatério apresente sempre sintomas.  

Pré-menopausa - é o período cerca de cinco anos, que precede a menopausa. A característica mais importante desta fase é o défice de progesterona. Os ciclos menstruais tornam-se mais curtos e, posteriormente, mais longos.

Peri-menopausa - período que decorre desde que se iniciam os ciclos irregulares e as perturbações vasomotoras (pré-menopausa)até um ano após a última menstruação.

Menopausa - significa, a data do último período menstrual, como expressão da falência da actividade endócrina dos ovários. Surge quando os folículos se tornam insuficientes para produzir estrogénios nas concentrações necessárias para induzir a proliferação do endométrio e dar origem à menstruação.

Pós- menopausa - longo período de vida da mulher que decorre desde o fim da menstruação até a morte.

Manifestações da carência estrogénica

A carência de estrogénios induz repercussões a nível de vários órgãos-alvo e de vários sistemas, manifestando-se em dois diferentes tempos:

Manifestações precoces:

Perturbações vasomotoras - que incluem os "afrontamentos" e os suores, constituem os sintomas mais frequentes da mulher nesta fase.

Perturbações psicológicas - dificuldade em adormecer e em manter a continuidade do sono, bem como insónia, depressão.

Perturbações genito-urinárias - a diminuição dos estrogénios circulantes leva a atrofia da mucosa vaginal, aumento do pH, diminuição da secreção vaginal, incontinência urinária (inicialmente de esforço e com agravamento progressivo), diminuição da líbido.  

Manifestações tardias:

Alterações a nível cerebral - aumento da incidência de doença de Alzheimer e de acidentes vasculares cerebrais.

Alterações a nível cutâneo - perda progressiva do colagéneo cutâneo, causando uma diminuição da tonicidade a nível da pele.

Alterações a nível articular - aumento das queixas associadas as doenças reumáticas, como a artrite reumatóide.

Alterações cardiovasculares - aumento da incidência de enfarte agudo do miocárdio.

Alterações ósseas - aumento precoce da incidência de osteoporose, com uma diminuição acentuada da densidade mineral óssea.

Alterações no metabolismo - a menopausa aumento a adiposidade central, mas não o ganho global de peso. Este apresenta uma relação direta com a diminuição da atividade física que se verifica nesta faixa etária.

Alimentação na menopausa
Nos diversos períodos que antecede a menopausa e no pós-menopausa orienta-se a mulher a dar preferência aos:

Citrinos, pois são ricas em vitamina C, que fortalece o sistema imune e faz bem à pele;
Alimentos ricos em vitamina E, pois melhoram a aparência da pele em geral, deixando-a mais hidratada;
Alimentos integrais, como arroz integral, macarrão integral e usar sempre que possível farinha de trigo integral;
Peixes, como atum e salmão, mas em quantidade controlada, pois contêm muita gordura;
Linhaça para melhorar o transito intestinal e controlar o colesterol;
Alimentos ricos em cálcio para ajudar a fortalecer os ossos;
Azeite para temperar as saladas, ele ajuda a combater as doenças cardíacas;
Aveia, pois ela é rica em fibra, acalma os nervos, diminui as ondas de calor e a depressão;
Soja, pois contém uma estrutura semelhante as hormonas que deixaram de ser produzidas pelos ovários. 
Lacticínios magros, pois contêm boas doses de cálcio, porém com menos gordura;
Chá de tília, camomila ou erva cidreira com adoçante ou sem açúcar para acalmar o sistema nervoso e ter um bom sono.
Beber em torno de  2 litros de água por dia, além de consumir sumo de frutas e leite meio-gordo ou magro;

Alimentos que devem ser evitados
Na menopausa deve-se reduzir o consumo de:

Pratos condimentados;
Alimentos ácidos;
Café ou bebidas com cafeína;
Bebidas alcoólicas em geral;
Doces em geral;
Alimentos industrializados;
Carnes com muita gordura;
Leite e derivados gordo;
Salsichas, enchidos,  bacon;
Frituras;
Sal em excesso;
Alimentos ricos em gordura saturada.
Aconselha-se, também, a pratica de atividade física como meio de prevenção da osteoporose e ganho de peso.

Obs.: Orientações gerais. Para um diagnóstico e tratamento personalizado procure um profissional de saúde especializado.
Fonte bibliográfica: Silva DP, Silva, JA. Terapêutica hormonal de substituição na práctica clínica. Lisboa: Organon; 1999.
Imagem: dreamstime.com

Comentários