Avançar para o conteúdo principal

Células adiposas: hiperplasia e hipertrofia


O que são mesmo células adiposas?

As células adiposas ou adipócitos fazem parte do tecido adiposo, são responsáveis em armazenar gorduras e regular a temperatura corporal.

Cada célula adiposa armazena determinada quantidade de gordura. Elas são capazes de armazenar gorduras até dez vezes o seu tamanho. Quando é ultrapassado o limite de armazenamento de uma célula adiposa é criada uma nova célula no tecido adiposo. O tecido adiposo acompanha o desenvolvimento do ser humano durante toda a vida.


Quando desejamos perder peso é importante percebermos como a gordura é retirada do adipócito e utilizada pelos músculos envolvidos no exercício localizado.

A ideia de que ao fazer 600 abdominais vai se  perder gordura da barriga não é correta, pois a gordura não é queimada no local onde está sendo feito o exercício. A gordura armazenada no adipócito encontra-se na forma de triglicerídios. Enquanto, realiza-se o exercício, várias hormonas como as catecolaminas, o glucagon, a hormona do crescimento, corticosteróides, entre outros, são liberados na corrente sanguínea e quando chegam aos adipócitos, provocam lipólise (quebra dos triglicerídios)  o que aumenta as concentrações sanguíneas de ácidos graxos livres (AGL). Esses AGLs são levados aos músculos esqueléticos que os utilizam para a síntese de ATP (Adenosina trifosfato) fonte de energia do organismo.

O que vem a ser hiperplasia e hipertrofia?

A hiperplasia é aumento da quantidade de células, diferentemente da hipertrofia, que é aumento do tamanho das células. Na obesidade o crescimento do adipócito é resultado da hiperplasia e/ou da hipertrofia.

A hiperplasia depende da adipogênese (diferenciação do tecido adiposo) que é a transformação dos pré-adipócitos (células precursoras de adipócitos) em adipócitos. Os adipócitos sempre estão em processo de renovação.

A hipertrofia dos adipócitos é resultado da ativação lipólise (degradação de lipídios em ácidos graxos e glicerol) e da lipogênese (síntese de ácidos graxos e triglicérides). Esta hipertrofia vai variar de acordo com a alimentação, hormonas e gasto energético de cada indivíduo.
Os adipócitos tem o seu tamanho máximo limitado, portanto quando esse limite é rompido, novas células adiposas vão ser originadas.

Obesidade hiperplásica – aumento do número de células de gordura, que ocorre na fase intra-uterina (principalmente, nos últimos 3 meses de gestação), de 0 a 1 ano e seis meses de idade e de 10 anos a 13 anos de idade. Apresenta maior dificuldade para emagrecer e para manter o peso.

Obesidade hipertrófica – há um crescimento no volume das células de gordura, que pode chegar até cerca de mais 40% do seu tamanho original.

Obesidade hipertrófica/hiperplásica – a combinação das duas formas apresenta dificuldades ainda maiores para a perda de peso e manutenção do peso.
Quando ocorre perda de peso, as células adiposas tendem a diminuir.
Imagem: Typy obezity
Fonte: Wikipédia

Comentários