Avançar para o conteúdo principal

Orientações naturais e nutricionais para Cistite

Você sabe o que é cistite?
A cistite é uma inflamação caracterizada pela sensação de dor e ardência ao urinar. A pessoa começa a urinar com frequência, mas com pouca quantidade de urina de cada vez, podendo por vezes surgir a presença de sangue na urina. Aparece muito frequentemente após relações sexuais e após o parto, quando a uretra sofre estreitamento, nomeadamente em partos complicados. 

A inflamação é causada a maioria das vezes por uma bactéria que causa uma proliferação da inflamação na mucosa da bexiga.
Esta inflamação pode também ser acompanhada de estado febril, mas na maioria dos casos não há sintomas de febre,

A cistite é um problema muito comum entre as mulheres, devido à própria anatomia do corpo feminino, mas, também pode surgir nos homens.

Alimentos que podem ajudar a melhorar a cistite

Alguns alimentos podem ajudar a curar a tendência para a cistite e evitar as tão indesejadas dores à micção.

Alimentos recomendados no tratamento desta doença: couve, cebola, salsa, nabo, cevada e o alho francês.

Se a inflamação for intensa, ingira líquidos em bastante abundância, de forma a diluir a urina.

Beber sumo de limão e água adoçada com mel ou outros sumos de fruta.

Não ingira sal nem substâncias irritantes e fortes.

Tratamentos naturais

Para combater as dores, aplique sobre a barriga cataplasmas quentes feitos com 5 gr de flores de feno ou 10 gr de farinha de linhaça, durante uma ou duas horas e sempre que conseguir.

Algumas infusões recomendadas para o problema da cistite:

- Chá de Salsa: 20g de salsa fresca picada, 2.5l de água
Preparação: Numa panela ou tacho coloque a água e a salsa, leve ao lume até levantar fervura e deixe 5 minutos a ferver. De seguida apague o lume, tape a panela/tacho e deixe arrefecer até ficar morno. Coe a mistura para remover os pedaços de salsa e guarde numa garrafa (convém, já estar frio).
Este chá deve ser tomado como um substituto diário da água, e como tal deve de o beber de 3 em 3 horas.

- Uma chávena de água a ferver sobre 15 gr de folhas secas de uva-ursina (uva de urso), deixar repousar umas dez horas e depois coar. Beber uma chávena quente duas vezes ao dia.

Outros tratamentos: Banho de assento, com chá de carqueja e cavalinho (100 gr para um litro de água) com duração de 20 minutos, três vezes por semana. Para preparar um banho de assento encher a banheira e sentar-se nela, com água até altura dos rins.

Conselhos para prevenir a infecção urinária

• Beba 1,5L de água por dia, pois a urina em quantidade elevada lava a bexiga, impedindo a acumulação de bactérias;
• Lave muito bem as mãos antes e depois de urinar;
• Não esteja muitas horas sem urinar (é prejudicial reter a urina);
• Evite os pensos diários;
• Urine antes de dormir;
• Evite os banhos de imersão caso tenha tendência para infecções, pois a água contaminada com restos fecais pode entrar na vagina;
• Use cuecas de algodão porque estas absorvem a transpiração e impedem a proliferação de bactérias;
• Realize uma boa higiene diária;
• Use o papel higiénico no sentido da vagina para a região anal e nunca ao contrário;
• Tenha cuidado extra quando utilizar uma casa de banho pública;
• Evite produtos que possam irritar a região, tais como duches vaginais, espermicidas, diafragmas e desodorizantes íntimos;
• Durante a menstruação troque os tampões ou pensos com regularidade, porque o sangue ajuda a multiplicar os fungos e as bactérias.
• Prefira os tampões.
E durante as relações sexuais?
• Deve urinar depois de ter relações sexuais, porque os microorganismos podem multiplicar-se na bexiga. Também convém beber um copo de água para encher a bexiga;
• Não esvazie por completo a bexiga antes do acto sexual, porque o pénis pode magoar a bexiga, isto porque a urina funciona como um amortecedor de possíveis traumas;
• Garanta uma correcta lubrificação vaginal durante o sexo;
• Evite posições dolorosas pois o traumatismo do revestimento da vagina favorece o crescimento de bactérias na região;
• Evite o coito anal sem preservativo.

Obs.: Orientações gerais. Para um melhor diagnóstico e tratamento procure um profissional de saúde/nutrição.

Comentários