Avançar para o conteúdo principal

Sobre a febre do jejum intermitente

Como já relatei, em outros momentos, na área de nutrição, dieta, alimentação, alimentos sempre aparecem e desaparem formas de perda de peso, emagrecimento, de perda de gordura e por ai vai. A estrela do momento é a dieta do jejum intermitente (JI), mas o que vem a ser essa dieta do jejum intermitente? Como se faz? É saudável e para todos? Quais benefícios? Quais malefícios?
O que é mesmo Jejum Intermitente?
De acordo com a literatura jejum intermitente (JI) é um termo chave para várias dietas que circulam entre um período de jejum e ingestão de alimentos. O jejum intermitente pode ser usado junto com restrição calórica total ou parcial para perda de peso.
Como se faz?
Os protocolos de jejum intermitentes mais populares podem ser agrupados em 3 categorias: Jejum de dia alternativo,  jejum com alimentação e restrição de tempo e jejum do dia inteiro ou dieta 5:2.
1 - Jejum de dia alternativo: O jejum ocorre durante 24 horas, uma ou duas vezes por semana. Por exemplo, o intervalo entre o jantar de um dia anterior até o jantar no dia seguinte. (água está disponível em todos os momentos). Este é o protocolo mais utilizado para estudos de jejum intermitente com animais.
2 - Jejum com alimentação e restrição de tempo (16/8): -  envolve, praticamente, duas refeições diárias (por exemplo, uma refeição as 12h e outra as 20h), exige jejum de 16 horas por dia, com ingestão calórica total durante as 8 horas restantes, geralmente, na mesma programação todos os dias.
3- Jejum do dia inteiro ou Dieta 5:2:  foi popularizada pelo livro “The Fast Diet” e consiste  em uma dieta onde  as pessoas só consomem 400-500 calorias (mulheres) ou 500-600 calorias (homens) durante os dias de jejum. Durante os outros cinco dias a alimentação é regular ou normal.
Em alguns protocolos, o jejum permite o consumo de uma quantidade limitada de bebidas com baixas calorias, como café ou chá. Este jejum modificado envolve a limitação da ingestão calórica (por exemplo, 20% do normal) durante os períodos de jejum, em vez de não se ingerir nada.
É saudável é para todos?
Uma revisão cientifica de 2014 descreveu que o jejum intermitente não foi estudado em crianças, idosos ou pessoas abaixo do peso e pode ser prejudicial nessa população. O jejum intermitente, também, não é indicado para pessoas com idade inferior a 18 anos, mulheres grávidas ou amamentando, pessoas com diabetes tipo 1 que usam insulina, pessoas com distúrbios ou transtornos alimentares.
Sugere-se que as pessoas que escolhem jejum por períodos de tempo superiores a 24 horas devem ser monitoradas por um nutricionista ou médico, pois podem ocorrer mudanças no sistema gastrointestinal ou em seu ritmo circadiano.
Quais benefícios?
Ainda não existem estudo clínicos mais aprofundados que comprovem os reais benefícios do jejum intermitente,  porém, os existentes demonstram que a pratica do jejum intermitente induz a melhorias na saúde metabólica, no desempenho cognitivo, redução da obesidade, redução de condições ligadas à obesidade, como a esteatose hepática (gordura no fígado) e redução de doenças crónicas como diabetes e cancro (câncer)
De acordo com uma revisão cientifica, o jejum intermitente pode levar à perda de peso, embora a restrição calórica a longo prazo pode levar a uma perda de peso ligeiramente maior do que o jejum intermitente.
Quais malefícios?
O jejum intermitente não deve ser uma dieta indicada e seguida sem nenhum tipo de orientação. O jejum pode aumentar os níveis de stress, atrapalhar o sono e desencadear insónia Desidratação e fome pode levar a dores de cabeça. Na maioria das mulheres, pode haver diversas mudanças hormonais como aparição de acnes, irregularidades menstruais, distúrbios metabólico entre diversos outros;
A ausência do almoço em alguns pode causar distracção e irritação;
Problemas de desregulação aguda pode prover altos níveis de desconcentração e desequilíbrio da homeostase.
Existe uma preocupação que este tipo de dieta possa desencadear distúrbios ou compulsão alimentar, pois algumas pessoas podem usam esse tipo de dieta para camuflar transtornos alimentares, como por exemplo, passar o dia todo sem comer e na refeição livre comem de tudo, inclusive alimentos não saudáveis.
Como nutricionista, concluo que, como em tantos outros métodos existentes para perda de peso, o jejum intermitente é mais um que se ajusta a realidade para uns e não para outros.
E como tenho o conceito e a crença de que nada que seja radical, extremo, em excesso ou escassez é bom para o organismo, indico a quem deseja seguir o jejum intermitente escolher um protocolo que se ajuste as suas necessidades orgânicas e fazê-lo junto a um profissional de saúde e de nutrição. E nunca se aventurar sozinho a fazer algo que pode comprometer seriamente a sua saúde física, mental e emocional, pois para além de ser dieta, o jejum intermitente é um estilo de vida que requer, também, mudanças de hábitos errado de alimentação.
Deixo várias referências para quem desejar mais informações a respeito:
https://health.clevelandclinic.org/2015/10/interested-fasting-health-get-facts-first/
https://www.sciencebasedmedicine.org/intermittent-fasting/
http://agencia.fapesp.br/jejum_intermitente_desregula_mecanismo_cerebral_de_controle_da_fome/19247/
https://uspdigital.usp.br/siicusp/cdOnlineTrabalhoVisualizarResumo?numeroInscricaoTrabalho=3667&numeroEdicao=22
http://www.academicoo.com/jejum-intermitente/
http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0104-42302013000200017&script=sci_abstract&tlng=pt
http://saudeideal.com/jejum-intermitente/
https://noticias.uol.com.br/saude/ultimas-noticias/redacao/2016/11/28/jejum-ou-corte-radical-de-alimentos-pode-garantir-longevidade.htm
http://bdtd.uftm.edu.br/bitstream/tede/229/5/Dissert%20Ruan%20C%20M%20Moraes.pdf
https://www.researchgate.net/profile/Ruth_Patterson/publication/274724043_Intermittent_Fasting_and_Human_Metabolic_Health/links/553922860cf247b85880a40f.pdf
https://en.wikipedia.org/wiki/Intermittent_fasting
http://veja.abril.com.br/saude/por-que-a-dieta-do-jejum-intermitente-nao-e-uma-boa-ideia/
Rothschild J, Hoddy KK, Jambazian P, Varady KA. Time-restricted feeding and risk of metabolic disease: a review of human and animal studies. Nutr Rev. 2014;72(5):308-18.
Horne BD, Muhlestein JB, Anderson JL. Health effects of intermittent fasting: hormesis or harm? A systematic review. Am J Clin Nutr. 2015;102(2):464-70.
Patterson RE, Laughlin GA, LaCroix AZ, Hartman SJ, Natarajan L, Senger CM, et al. Intermittent Fasting and Human Metabolic Health. J Acad Nutr Diet. 2015;115(8):1203-12.









Comentários